Conferências Plenárias (CP)

CA (Conferência de Abertura): Some Comments on the Dynamics of a Stick-Slip Oscillator

Conferencista: Rubens Sampaio (PUC-RJ)

Abstract:
In drilling for oil the main problem is the stick-slip. It is not well understood and the deterministic models are bad. In the talk a stochastic model of the dynamics of a dry-friction oscillator excited by a stochastic base motion is shown. The non-smooth behavior of the dry-frictional force associated with the non-smooth stochastic base motion induces in the system stochastic stick-slip oscillations. The focus of the talk is to analyze the stick-slip dynamics of the system from a probabilistic view point. Defined a time interval for analysis, the variables of interest are the number of time intervals in which stick or slip occur, the instants at which they begin, and their durations. These variables are modeled as stochastic objects and Monte Carlo and MCMC simulations are employed to compute their statistics.

CP1 - Melhor Tese de Doutorado: Sobre o Laplaciano do Grafo para Segmentação Espectal de Imagens e Minimização de Funcionais de Energia em Grafos

Conferencista: Wallace C. de Oliveira Casaca (USP-SCarlos)

Resumo:
Esta pesquisa de doutorado apresenta soluções inovadoras para problemas reais da indústria a partir da junção de tópicos de pesquisa em matemática aplicada e computacional e de ferramentas computacionais diversas. Mais especificamente, a tese propõe duas novas metodologias matemáticas para tratar o problema de clusterização de grafos aplicado ao contexto prático de imagens, ambas endereçando uma série de limitações de métodos do estado da arte em segmentação de imagens. Nossa primeira metodologia combina o operador Laplaciano, a teoria espectral de grafos e a teoria de funções harmônicas a fim de segmentar, de forma eficiente, a imagem em tratamento. Além disso, a metodologia proposta também permite a intervenção do usuário durante o processo de segmentação. Já a segunda metodologia modela o problema de segmentação em termos da minimização de um funcional de energia construído a partir do operador Laplaciano, o qual garante unicidade de solução matemática e outras características de interesse como alta aderência da segmentação aos contornos da imagem e a obtenção do mínimo global computado em termos da resolução de um sistema esparso de equações lineares. Neste caso o problema de segmentação é convertido na resolução de um sistema linear esparso, sendo esta uma característica desejada e bastante atrativa em problemas de ordem prática devido ao seu impacto no desempenho computacional da solução associada. Ainda sobre os tópicos investigados nesta pesquisa, foram também propostos dois novos métodos para atacar o problema de inpainting digital e colorização de imagens de forma a combinar as técnicas de segmentação descritas anteriormente com abordagens matemáticas diversas como, por exemplo, resolução numérica de EDPs, para produzir o resultado almejado em cada aplicação.

CP2: An Overview of Mathematical Models for Cell Migration

Conferencista: Luigi Preziosi (Politecnico di Torino)

Abstract:
Cell-extracellular matrix interaction and the mechanical properties of cell nucleus have been demonstrated to play a fundamental role in cell movement across fiber networks and micro-channels. From the point of view of application understanding this process is important to describe on one hand the spread of cancer metastases and on the other hand to optimize medical scaffold that can be use to cure chronic wounds. From the point of view of mathematics, the problem can be addressed using different methods. In fact, in the talk, I will describe several mathematical models developed to deal with such a phenomenon, starting from modelling cell adhesion mechanics to the inclusion of influence of nucleus stiffness in the motion of cells, through continuum mechanics, kinetic models and individual cell-based models.

CP3: Directional Monotonocity and Pre-aggregations: Applications in Image Processing and Classification

Conferencista: Humberto Bustince (Universidad Publica de Navarra)

Abstract:
In recent times, there is a huge interest in the study of generalized forms of monotonicity which allows to define and/or cover many functions which, not being aggregation functions because they are not monotone in an usual sense, are of great interest for applications in fields such as image processing, classification or decision making. One important step in this direction has been the introduction of the notion of pre-aggregation function, which is a function with the same boundary conditions as an usual aggregation function, but for which only monotonicity along some fixed direction is required. This notion has shown itself specially useful for classification problems, and it has also allowed to include in a common framework some relevant operators outside from the scope of aggregation functions, as it is the case, in particular, of the mode. The requirement of monotonicity along a fixed direction which is the same for every considered point in the unit hypercube is, however, still too strict for application in fields such as image processing, for instance. When dealing with edge detection in an image, for instance, relevant directions to be considered may change from one pixel (point) to another one. Taking into account this consideration, among others, in this talk we speak about directional monotone functions and ordered directionally monotone functions, and we introduce the idea of pre-aggregation function. We also discuss the applications of these concepts, specially in image processing and classification.

CP4: Incerteza no Caminho de uma Onda Piloto

Conferencista: André Nachbin (IMPA)

Resumo:
Este é um problema muito recente para o qual apresentamos um novo sistema dinâmico para o par onda-partícula. Yves Couder (Paris VII) e colaboradores apresentaram recentemente o fenômeno de gotículas “saltitantes” que “caminham” na superfície de um líquido em oscilação vertical. Em seus trabalhos eles discutem propriedades do par onda-gotícula que até então eram supostos serem exclusivos do mundo microscópico-quântico. John Bush (MIT) e colaboradores reproduziram os experimentos de Couder et al. e compararam os resultados com previsões teóricas de sistemas dinâmicos reduzidos/simplificados. Nesta apresentação realizaremos uma revisão do que foi descoberto por esses grupos para então apresentar o nosso modelo hidrodinâmico, com ondas em fluidos, que é acoplado ao sistema dinâmico anteriormente proposto para governar a trajetória da gotícula-caminhante.  A dinâmica das ondas é estudada a partir do repouso. O mecanismo por trás da formação destas ondas é a instabilidade de Faraday. Este modelo onda-partícula/gotícula captura mecanismos de bifurcação observado em laboratório. As ondas geradas servem de guias para a gotícula-caminhante, ou seja, são ondas-piloto. Quando confinada a cavidades com uma barreira, a associação onda-partícula produz um fenômeno do tipo tunelamento. Estes são alguns dos resultados deste nosso trabalho em andamento.

CP5: Métodos Numéricos para Equações Diferenciais Fracionais de Convecção-Difusão em 2D e 3D

Conferencista: Yuan Jin Yun (UFPR)

Asbtract:
Com crescente aplicação em problemas reais, a solução aproximada de equações diferenciais fracionais recebe a cada dia mais atenção. Entre as equações fracionais, a equação diferencial de convecção-difusão é considerada a mais difícil. Nesta palestra, introduziremos conceitos básicos do cálculo fracional e aplicaremos o método de Galerkin descontínuo-característico para achar a solução aproximada da equação diferencial de convecção-difusão com derivada fracional espacial em 2D. Através do método ADI, calcularemos a solução aproximada da equação diferencial de convecção-difusão com derivada fracional temporal em 3D. No caso 2D discutiremos a estabilidade e faremos a análise de erro. Por fim, apresentaremos alguns exemplos numéricos.

Conferências Semi-Plenárias (SP)

SP1: Entre modelos contínuos e discretos para a simulação de arritmias no coração

Conferencista: Rodrigo Weber dos Santos (UFJF)

Resumo:
A rápida propagação do sinal elétrico no tecido cardíaco é responsável pela sincronização das células e correta contração do coração. Modelos contínuos baseados em sistemas não-lineares de equações diferenciais parciais (EDPs) têm sido amplamente utilizados para auxiliar a compreensão deste complexo fenômeno biológico que envolve múltiplas escalas temporais e espaciais. Esses modelos também têm sido usados como ferramentas durante o desenvolvimento de novas drogas e de novos equipamentos biomédicos. Recentemente, porém, mostramos que certos aspectos fundamentais relacionados a arritmias cardíacas não são bem reproduzidos por modelos clássicos baseados em EDPs, em especial, quando os modelos utilizam técnicas de uniformização para descrição de importantes parâmetros, como a condutividade do tecido cardíaco. Em contrapartida, modelos discretos homogeneizados e modelos semi-contínuos reproduzem fielmente esses fenômenos. Nesta palestra, abordaremos este assunto e apresentaremos as vantagens e desvantagens de cada uma dessas diferentes formulações matemáticas. Também discutiremos como estas abordagens estão relacionadas com modelos baseados em Laplaciano-fracionário e em difusão não-local.

SP2: Ciências Matemáticas, Desenvolvimento de Produtos e Inovação: Recentes Avanços e Perspectivas Futuras

Conferencista: Francisco Louzada (USP-São Carlos)

Resumo:
O desenvolvimento das Ciências Matemáticas como atividade de fomento do progresso científico e tecnológico no Brasil tem se intensificado nos últimos anos, contribuindo com o setor produtivo para aumentar seu valor agregado por meio do desenvolvimento de produtos matemáticos específicos. Neste contexto, as Ciências Matemáticas têm se inserindo em processos de inovação, bem como processos de inovação têm se inserido nas Ciências Matemáticas, promovendo interação com profissionais dos setores público e produtivo, bem como com a população em geral, direcionando a interlocução eficiente entre a academia e a indústria. Nessa conferência são apresentados os principais projetos e produtos matemáticos que temos produzidos no Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Industria (CeMEAI), no sentido de aproximar a academia, o setor produtivo e a população em geral. A importância e o impacto da utilização das novas tecnologias de base matemática em aplicações reais de sucesso são apresentadas. Desafios e tendências futuras para a inovação a transferência de tecnologia em Ciências Matemáticas são também abordados.

SP3: O problema de Autovalores Complementários

Conferencista: Alfredo N. Iusem (IMPA)

Resumo:
O problema de autovalores complementários é uma generalização do problema usual de autovalores para o caso em que os auto-vetores têm que ser não negativos. Na situação mais simples, dada uma matriz quadrada A, procuramos um vetor x e um escalar a tal que x é não negativo, Ax-ax é não negativo, e xt(Ax-ax)=0. Apresentaremos os elementos básicos da teoria, incluindo resultados sobre existência e número máximo de auto-valores complementários, a discutiremos alguns métodos numéricos para a determinação dos auto-vetores e os autovalores complementários. A seguir, consideraremos algumas generalizações do problema, envolvendo duas e até três matrizes na formulação do mesmo, e também cones mais gerais que o ortante positivo, onde as condições de não negatividade de x e Ax-ax são substituídas pela condição de que tanto x quanto Ax-ax pertençam a um dado cone convexo e fechado.

SP4: Introdução à Otimização Contínua

Conferencista: Elizabeth W. Karas (UFPR)

Resumo:
Um dos focos de interesse da área de Otimização Contínua consiste no conjunto de problemas matemáticos vinculados à maximização ou minimização de funções contínuas. Grande parte de sua relevância no contexto científico universal decorre da enorme aplicabilidade deste modelo matemático. O objetivo desta palestra é introduzir, de forma bastante geométrica, os principais conceitos desta área.

SP5: Multigrid at Scale?

Conferencista: Mark Ainsworth (Brown University)

Abstract:
Multigrid and multilevel iterative algorithms are often the method of choice for the solution of large-scale systems of linear equations arising from discretisation of partial differential equations using finite element or finite difference methods. The method involves a number of components including smoothing relaxation, coarse grid solve, prolongation and restriction operators between grids in the multilevel hierarchy, and the convergence behaviour of the method has been extensively analysed in the context of standard computer architectures. However, comparatively little is known about the resilience or fault-tolerance of the algorithm on next generation hardware architectures, which are expected to suffer from frequent data corruption and hardware failures. We will address this issue and present some of the results of our recent work showing that the issue is anything but clear. This is joint work with Christian Glusa.

SP6: A Modelagem Matemática e a Criatividade

Conferencista: Rodney Bassanezi (UFABC)

Resumo:
A criatividade é um dos fatores mais importantes no processo de modelagem matemática. Juntamente com a analogia existente entre fenômenos diversos são responsáveis pela grande maioria dos modelos matemáticos propostos.
Nos primeiros modelos de dinâmica populacional a ideia de Malthus foi utilizada e formulada em termos de equações matemáticas. A partir destes modelos iniciais foram formulados outros, considerando a taxa de crescimento como uma função (decrescente) da população – São os Modelos inibidos. Em seguida, modelos de interação de populações tipo presa-predador, além de utilizar a ideia inicial de Malthus, propõem que o encontro entre as duas espécies se dê como a combinação de duas substâncias químicas. Então, o modelo populacional incorpora a lei de ação das massas para formular o encontro das espécies. Esta mesma analogia continua com os modelos de epidemiologia – neste caso, usando a mesma estratégia para modelar os encontros entre sadios e infecciosos.
Nesta palestra vamos dar alguns exemplos de criatividade no processo de ensino-aprendizagem com modelagem matemática. Vamos mostrar alguns exemplos de como a criatividade pode transformar problemas relativamente difíceis em situações que podem ser analisadas no ensino médio. Assim é que veremos:
– O problema do colecionador de figurinhas e conjecturas;
– O problema de empilhamento de bolas;
– Espalhamento da Podridão numa caixa de maçãs.

SP7: New simulation techniques for unstructured time advance

Conferencista: Jay Gopalakrishnan (Portland State University)

Abstract:
Ideas to advance a numerical solution of a hyperbolic problem in time by local operations in space time regions have been explored by many.  This talk will focus on one such technique where a spacetime domain is progressively meshed by tent shaped objects. The solution can be computed on an unstructured advancing front (and there is no need to maintain entire spacetime data). Locally adaptive time step sizes are natural in this approach. We present new techniques to reduce the size of problems within each tent. The dimension reduction is obtained by mapping the equations within a spacetime tent into a form where space and time separates. After detailing techniques based on this mapping, several examples including the acoustic wave equation and the Euler system are considered.

SP8: Adjacency and coherency preservers

Conferencista: Peter Semrl (University of Ljubljana)

Abstract:
I will present some recent results on adjacency and coherency preservers on various matrix spaces. Applications in mathematical physics will be presented.

Minicursos (MC)

MC1: Cálculo Variacional com Computação Simbólica

Autores: Cristina L. D. Vaz (UFPA), Hugo A. C. Diniz (UFPA)

Resumo:
Neste minicurso trataremos alguns tópicos do Cálculo Variacional usando as potencialidades do sistema de computação simbólica Maxima. O Cálculo Variacional é uma área da Matemática que estuda problemas de otimização de funcionais do tipo integral. Essencialmente, os métodos usados para tratar tais problemas são: o método indireto, conhecido como Equação de Euler-Lagrange, e o método direto, conhecido como Método de Ritz. Em geral, na abordagem com o método indireto, resolve-se equações diferenciais de segunda ordem lineares ou não lineares e com o método direto, resolve-se sistemas de equações algébricas lineares ou não lineares. Neste minicurso mostraremos, de modo elementar e introdutório, como o aplicativo Maxima pode ser uma ferramenta potente na resolução de alguns problemas clássicos do Cálculo variacional, entre eles, abordaremos os seguintes: geodésicas, superfícies mínimas, o problema de Dido, o problema de Sturm-Liouville e o problema da Braquistócrona.
Nível: Graduação.
Pré-requisitos: Análise real, equações diferenciais ordinárias, conhecimentos básicos de computação científica.

MC2: Introdução aos Processos Estocásticos

Autor: Edson Cataldo (UFF)

Resumo:
Esse curso foi desenvolvido a partir de notas de aula da disciplina de Processos Estocásticos I, ministrada para o mestrado em Engenharia Elétrica e de Telecomunicações, na Universidade Federal Fluminense. O objetivo do curso é relacionar conceitos básicos da teoria de probabilidade, variáveis aleatórias uni e multidimensionais, processos estocásticos e densidade espectral de potência de um processo estocástico, de modo que, ao fim do curso, o aluno possa compreender de forma clara o que é um processo estocástico e sua interpretação no domínio da frequência. Algumas aplicações são discutidas no decorrer do curso, com destaque para a modelagem estocástica da produção da voz humana.
Nível: Alunos de graduação e pós-graduação de cursos de Matemática e áreas afins; profissionais e pesquisadores relacionados com a área de Probabilidade.
Pré-requisitos: Teoria de conjuntos, Cálculo Diferencial e Integral de várias variáveis e Análise de Fourier.

MC3: Modelagem Matemática em Câncer e Quimioterapia: Uma Introdução

Autores: Diego S. Rodrigues (Unesp), Paulo Mancera (Unesp) e Suani T. R. Pinho (UFBA)

Resumo:
Em decorrência da seriedade do câncer, estudos sobre a doença aumentaram muito nos últimos anos, e isto desencadeou importantes avanços em outras áreas; dentre elas, a modelagem matemática. Um exemplo bastante ilustrativo a esse respeito é a determinação de protocolos ótimos de tratamento, na qual modelos matemáticos fazem previsões quantitativas e testáveis sobre o prognóstico tumoral. Nesse cenário, o propósito do minicurso é apresentar e discutir a modelagem matemática do câncer. Atenção especial será dada aos modelos de equações diferenciais ordinárias que descrevem a dinâmica do crescimento tumoral na presença de terapias anticâncer.
Nível: Alunos de graduação e pós-graduação, docentes, pesquisadores e professores do ensino médio.
Pré-requisitos: Conhecimentos elementares de Cálculo Diferencial e Integral e Equações Diferenciais Ordinárias.

MCE4: Variabilidade e outros problemas: É possível ensinar Cálculo no nível Médio?

Autores: Ângela Rocha dos Santos (UFRJ) e Vinicius Mendes Couto Pereira (UFF)

Resumo:
Considerando o histórico problema das taxas alarmantes de não-aprovação nos cursos iniciais de Cálculo nas universidades brasileiras e a constatação feita por Rezende (2003) de que um dos maiores obstáculos de natureza epistemológica do ensino de Cálculo é função da ausência das ideias e problemas construtores do Cálculo no Ensino Básico de Matemática, o objetivo deste minicurso é mostrar como é possível introduzir algumas das ideias básicas do Cálculo a partir do Ensino Médio. Nesse sentido, concebemos uma proposta de inserção de algumas ideias, em particular, aquelas ligadas ao problema da variabilidade, tais como taxas de variação, retas tangentes e limites, no ensino médio, tendo como metodologia a resolução de problemas. Os resultados obtidos na pesquisa elaborada por Pereira (2009) sinalizam a real possibilidade do trabalho com as ideias do Cálculo no Ensino Médio. Além disso, esta abordagem tem o potencial não somente de diminuir os grandes índices de reprovação verificados hoje nas disciplinas de Cálculo no nível superior de ensino, mas também o de melhorar a qualidade do ensino de matemática do próprio Nível Médio.
Nível: Alunos de graduação e pós-graduação de cursos de Matemática e áreas afins; profissionais e pesquisadores interessados na área de Educação Matemática.
Pré-requisitos: Cálculo Diferencial e Integral.

MC5: Polinômios que Satisfazem uma Relação de Recorrência de Três Termos

Autores: Alagacone Sri Ranga (Unesp), Cleonice Fátima Bracciali (Unesp) e Eliana Xavier Linhares de Andrade (Unesp)

Resumo:
O objetivo do minicurso é apresentar propriedades e aplicações de sequências de polinômios que satisfazem uma relação de recorrência de três termos especial.  Esta relação de recorrência é diferente da relação de recorrência de três termos que sequências de polinômios ortogonais clássicos satisfazem. Entre as sequências de polinômios geradas por tal relação de recorrência, destacam-se os polinômios que satisfazem certos tipos de ortogonalidade, tanto na reta real como no círculo unitário, por exemplo, os polinômios L-ortogonais e os polinômios para-ortogonais. Estes polinômios são utilizados na construção de fórmulas de quadraturas de máximo grau de precisão algébrica na reta real e no círculo unitário respectivamente.
Nível: Alunos dos últimos anos de graduação e de pós-graduação de cursos de matemática, de computação e áreas afins, e pesquisadores interessados.
Pré-requisitos: Cálculo Diferencial e Integral, Álgebra Linear.

MC6: Animação em 3D Usando Java

Autor: Enivaldo Bonelli (UFRN)

Resumo:
Usando-se biblioteca em JAVA, escrita pelo instrutor, alunos aprenderão criar animações em 3D, que podem ser visualizadas até fora da tela, com ajuda de óculos 3D de plástico, que serão fornecidos aos inscritos no minicurso. Para agilizar o ensino será usado o IDE gratuito Eclipse. Há necessidade de se trazer laptop.
Nível: Básico
Pré-requisitos: Ter algum conhecimento sobre programação em pelo menos uma das linguagens modernas, tais como C, C++, Python, Java e similares.

MC7: Teoria dos Conjuntos Fuzzy com Aplicações

Autores: Rosana Sueli da Motta Jafelice (UFU), Laecio Carvalho de Barros (Unicamp) e Rodney Carlos Bassanezi (UFABC)

Resumo:
O objetivo deste minicurso é apresentar os conceitos e ferramentas básicas da teoria dos conjuntos fuzzy como instrumento de aplicações, especialmente em situações e fenômenos biológicos.  A teoria dos conjuntos fuzzy foi introduzida por L. Zadeh em meados dos anos 60 com a intenção de dar um tratamento matemático a certos termos linguísticos subjetivos como “aproximadamente”, “em torno de”, dentre outros. Devido à possibilidade de manipulação de informações incertas e seu respectivo armazenamento em computadores, a teoria dos conjuntos fuzzy tem se tornado uma das áreas emergentes em tecnologia contemporânea.  O tratamento fuzzy de variáveis linguísticas subjetivas ganhou um espaço substancial na modelagem matemática, particularmente quando não dispomos de dados suficientes para uma estatística ou então quando a situação não comporta medições e dependemos de informações subjetivas de especialistas. Neste sentido, modelos provenientes da teoria dos conjuntos fuzzy têm sido usados em Biomatemática para fazer diagnósticos médicos, promover estratégias de controle de pragas, estabelecer condições de previsão da transferência de indivíduos HIV positivos assintomáticos para sintomáticos e em muitas outras aplicações.
Nível: Alunos de graduação e pós-graduação de cursos de Matemática e áreas afins; profissionais e pesquisadores interessados na área.
Pré-requisitos: Cálculo Diferencial e Integral

MCE8: Contagem de configurações: princípios fundamentais e exemplos envolventes

Autores: Marcia R. Cerioli (COPPE e UFRJ) e Petrúcio Viana (UFF)

Resumo:
Neste minicurso, descrevemos e exemplificamos uma nova abordagem para o ensino de combinatória de contagem. Nela, valorizamos os aspectos analíticos da resolução de problemas (determinação exata dos dados e objetivos do problema, investigação de instâncias concretas dos elementos envolvidos em sua resolução, e elaboração de estratégias para efetivamente resolvê-lo). Utilizamos um método baseado no conceito de configuração e cinco princípios básicos de contagem. Estes são conceitos primitivos, que são usualmente empregados na resolução de problemas de contagem, mas que, em geral, não são colocados em primeiro plano. A utilização destes princípios prescinde do uso de fórmulas de maneira essencial (mas não exclui o seu uso). Além de enunciarmos e exemplificarmos cada princípio, apresentamos exemplos envolventes e elucidativos de sua aplicação em conjunto. Em particular, na contagem de permutações e de combinações completas (com elementos repetidos) e de colorações das faces de sólidos geométricos. Mostramos como estes princípios de contagem podem ser aplicados a estes problemas de modo a resolvê-los empregando apenas ferramentas que estão prontas para o uso direto em sala de aula, no Ensino Médio e, em muitos casos, também no Ensino Fundamental.
Nível: Alunos de graduação e pós-graduação de cursos de Matemática e áreas afins; profissionais e pesquisadores interessados na área de Educação Matemática.
Pré-requisitos: Fundamentos de Matemática

MCE9: Resolução de Problemas da OBMEP em Sala de Aula

Autores: Marilaine de Fraga Sant’Ana (UFRGS) e Alvino Alves Sant’Ana (UFRGS)

Resumo:
Os objetivos do minicurso, direcionado a professores da escola básica e licenciandos em Matemática, são: desenvolver estratégias de resolução de problemas, utilizando o material disponibilizado pela OBMEP e adaptar problemas olímpicos para uso em sala de aula, incluindo a confecção de materiais manipuláveis. Cada encontro será dividido de modo a contemplar os dois objetivos, ou seja, em um primeiro momento serão abordados problemas das provas e dos bancos de questões da OBMEP e, em um segundo momento, os participantes serão convidados a adaptar e incluir materiais manipuláveis à resolução dos problemas.
Nível: Alunos de graduação e pós-graduação de cursos de Matemática e áreas afins; profissionais e pesquisadores interessados na área de Educação Matemática.
Pré-requisitos: Fundamentos de Matemática.

Mini-simpósios (MS)

MS1: Stochastic Modeling and Uncertainty Quantification

Informações

Coordenadores: Rubens Sampaio (PUC-RJ), Roberta Lima (PUC-RJ) e Thiago Ritto (UFRJ)

MS2: Códigos e Reticulados Algébricos

Informações

Coordenador: Agnaldo J. Ferrari (Unesp).

MS3: Modelagem Matemática e Computacional do Crescimento Tumoral

Informações

Coordenadores: Paulo Mancera (Unesp) e Regina Almeida (LNCC).

MS4: Teoria de Transporte de Partículas

Informações

Coordenadores: Roberto D. M. Garcia (IEAV), Ricardo C. de Barros (IPRJ/UERJ) e Liliane Basso Barichello (UFRGS)

MS5: Álgebra Linear e Aplicações

Informações

Coordenadores: Renata Del-Vecchio (UFF) e Vilmar Trevisan (UFRGS).

MS6: Novos Desafios na Simulação Numérica de EDPs – IIMS6: Novos Desafios na Simulação Numérica de EDPs – II

Informações

Coordenadores: Sônia M. Gomes (Unicamp), Abimael F. D. Loula (LNCC), Maicon R. Correa (Unicamp), Cristiane O. Faria (UERJ).

MS7: Desafios da Epidemiologia Matemática

Informações

Coordenadoras: Claudia Mazza (UFRRJ) e Joyce Bevilacqua (USP).

Painéis (PP)

PP1: Produção Científica em Matemática Aplicada: avaliação de programas e de pesquisadores

Convidados: Felipe Linares (IMPA), Lorenzo J. Díaz Casado (Puc-Rio), José Alberto Cuminato (USP) e Antônio José da Silva Neto (UERJ)
Mediadora: Liliane Basso Barichello (UFRGS)

Reunião com a presença do coordenador do Comitê Assessor do CNPq, de Matemática e Estatística, e o Coordenador de Área da CAPES, de Matemática/Probabilidade e Estatística, onde serão apresentadas atividades desenvolvidas junto a estes órgãos e discutidos particularmente critérios de avaliações atualmente adotados e as relações com a produção científica em Matemática Aplicada. Também, relatos de experiências da SBMAC na área interdisciplinar.

PP2: A Base Nacional Curricular Comum – O desafio de melhorar o ensino e a aprendizagem em todo país: e a Matemática tem que estar presente!

Convidadas: Cydara C. Ripoll (UFRGS), Regina Célia Grando (USF), Vanilde Bisognin (Unifra) e Julita Andreis (Secretária de Educação – Gramado/RS)
Mediadora: Tânia Schmitt (UnB)

O MEC vem se dedicando a definir, em todas as disciplinas do ensino fundamental e médio, uma base curricular mínima comum – BNCC. A construção dessa base envolveu diversas entidades. No tocante à Matemática e sua aprendizagem, a Sociedade Brasileira de Educação Matemática-SBEM, a Sociedade Brasileira de Matemática-SBM e a Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional-SBMAC, entre outras entidades, contribuíram com diversas sugestões e críticas ao documento original, levado ao público em novembro de 2015. O objetivo deste painel é discutir os indicativos da BNCC/Matemática e os rumos do ensino de Matemática para os próximos anos, e os possíveis impactos que uma Base Curricular Nacional Comum poderá ter no ensino-aprendizagem de Matemática. Participarão do debate, a atual Presidente da SBEM, profª. Regina Célia Grando; a profª. Cydara Ripoll (UFRGS), representando a SBM; e a profª. Vanilde Bisognin, representando a SBMAC. As quatro professoras participaram de reuniões junto a representantes do MEC e de membros da comissão de especialistas, que elaboraram a primeira versão do projeto BNCC na área de Matemática. A profª. Julita Andreis, Secretária de Educação de Gramado/RS também confirmou presença. A mediação será feita pela profª. Tânia Schmitt